Show simple item record

dc.contributor.authorPêcego, Antonio José Franco de Souza
dc.coverage.spatialUniversidade de Ribeirão Preto - UNAERPpt_BR
dc.date.accessioned2021-04-08T18:59:31Z
dc.date.available2021-04-08T18:59:31Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unaerp.br//handle/12345/332
dc.description.abstractA presente dissertação procura viabilizar um novo olhar sobre a eutanásia, tema polêmico e milenar, mas sempre atual, que tem ao longo do tempo acarretado calorosos debates prós e contra a sua prática. Inúmeros países já prevêem em sua legislação a eutanásia ativa ou passiva, alguns legalizando outros criminalizando expressamente com pena aquém da do homicídio, muitas das vezes com denominação própria, sendo que está em curso no Brasil o Novo Projeto de Reforma do Código Penal que trata dessa prática, ainda que no relatório final tenha sido excluído do seu texto original a eutanásia ativa para manter apenas o dispositivo que descriminaliza a ortotanásia (eutanásia passiva), enquanto vemos a crescente aceitação norte-americana pela prática da eutanásia ativa. Enquanto isso, a prática da eutanásia ativa continua a ser considerada crime de homicídio privilegiado pela jurisprudência nacional, todavia a ortotanásia já se encontra disciplinada a sua prática no Código de Ética Médica de 2009 que isenta o médico que assim proceder e, agora, mais recentemente, nas Diretivas Antecipadas de Vontade da Pessoa ou Testamento Vital da Resolução n. 1995/2012 do CFM. Necessário se faz enfrentar essa questão em aberto da eutanásia ativa, em especial, levando-se em consideração a doutrina e o direito comparado, tendo-se como eixo norteador a Lei Maior, por ter a mesma relação direta com os direitos humanos fundamentais, como a dignidade da pessoa humana, o direito à vida, à liberdade, de não ser submetido à tortura, tratamento degradante ou desumano, à autodeterminação e autonomia da vontade. A Constituição Federal de 1988 que se destina a assegurar esses e outros direitos como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, tem como princípios fundamentais, dentre outros, a dignidade da pessoa humana e a cidadania que tem implicações com a prática da eutanásia. Diante disso, há de se questionar a quem pertence o domínio da vida para se obter respostas às inquietações intelectuais de forma que possam transcender à Academia. Se viver é um direito ou um dever; se a vida, como bem jurídico, é ou não indisponível; qual o papel da pessoa nesse cenário e a influência da dignidade humana, como algo intrínseco ao ser, são algumas das inquietações que se busca sossegar ao longo desta dissertação. Também, cumulativamente, necessita-se saber qual o tipo de direito à liberdade se encontra prestigiado constitucionalmente e sua relação com a autonomia da vontade e o direito ao livre desenvolvimento da personalidade para que se possa melhor enfrentar a questão tormentosa da eutanásia num país onde o laicismo se faz presente num Estado Democrático de Direito.pt_BR
dc.format.extent180 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectEutanásiapt_BR
dc.subjectDignidadept_BR
dc.subjectCidadaniapt_BR
dc.titleEutanasia: uma (re)leitura do Instituto sob a ótica da dignidade da pessoa humana e cidadaniapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisorSilveira, Sebastião Sérgio da


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record



UNAERP
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons