Show simple item record

dc.contributor.authorBenedeti, Augusto César Garcia Saab
dc.coverage.spatialUniversidade de Ribeirão Preto - UNAERPpt_BR
dc.date.accessioned2021-04-07T20:01:33Z
dc.date.available2021-04-07T20:01:33Z
dc.date.issued2015pt_BR
dc.identifier.urihttp://repositorio.unaerp.br//handle/12345/314
dc.description.abstractNo Brasil, os dados atuais mostram que a prevalência de sobrepeso em crianças menores de dez anos é igual à 33,5% e de obesidade igual a 14,3%. Sabidamente, o acúmulo de adiposidade abdominal associado ao aumento de peso é um indicador relacionado à obesidade. Para tanto, métodos de imagem associado aos métodos clínicos vem sendo cada vez mais aplicados à prática de avaliação e seguimento destas crianças, com intuito de se realizar intervenção precoce. A Ultrassonografia (US) abdominal possui boa acurácia para medir a distribuição da adiposidade abdominal já realizada em adultos obesos e pouco explorada em crianças e adolescentes. Estas considerações justificaram o presente estudo que correlacionou os parâmetros ultrassonográficos da distribuição da adiposidade abdominal em associação com indicadores antropométricos, pressóricos e ultrassonográficos relacionados à obesidade em crianças. Foram avaliadas 63 crianças, de ambos os sexos, com idades entre 7 anos completos e 10 anos incompletos, egressos da rede de saúde pública do município de Ribeirão Preto e dos demais municípios pertencentes a DRS-13 (Direção Regional de Saúde). As medidas das espessuras da gordura subcutânea (GSC) e da gordura intrabdominal (GIA) foram comparadas com medidas de circunferência abdominal (CA), pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD), sendo por fim, verificado o aumento da ecogenicidade do parênquima hepático, e os quartis de distribuição da GSC e GIA. Resultados por análises estatísticas adequada para cada variável, demonstrou alta correlação das adiposidades entre si e, delas, com as medidas da CA. Houve relação significativa entre o aumento da ecogenicidade do parênquima hepático pela US e os maiores quartis de distribuição das medidas de adiposidade abdominal. Para esta amostragem populacional foi encontrada fraca correlação entre os incrementos nas medidas das espessuras da adiposidade abdominal e o aumento dos níveis pressóricos. Conclui-se que a US possui acurácia elevada para a diferenciação e medidas dos compartimentos de adiposidade abdominal e que houve alta correlação entre as medidas das espessuras da GSC e GIA com indicadores antropométricos e ultrassonográficos ligados à obesidade. Também, que a medida da CA é um indicador adequado do estado nutricional nesta faixa etária, apesar de não diferenciar os compartimentos de acúmulo de adiposidade abdominal. Por fim, que a US demostra ser um método com informações precisas e seguras aos médicos pediatras para avaliação e seguimento de crianças nesta faixa etáriapt_BR
dc.format.extent71 f.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectObesidade em criançaspt_BR
dc.subjectObesidadept_BR
dc.titleCorrelação entre medidas da adiposidade abdominal pela ultrassonografia e indicadores de obesidade em crianças eutróficas e portadoras de sobrepeso/obesidadept_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisorAlmeida, Carlos Alberto Nogueira de


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record



UNAERP
Plataforma
DSpace
Desenvolvido por
Digital Libraries
Licenciamento
Creative Commons